https://veracomunicacao.com.br
Rua José Farias, 98, sala 806 - Santa Luíza, Vitória - ES.

Cinco sinais de inflamação no ciático

Médico explica quais sinais merecem atenção e as causas do incômodo

 

Ai, meu ciático! Sentiu incômodo na parte posterior da perna e do glúteo e dores na coxa em forma de queimação? Pode se tratar de inflamação do nervo ciático.

As queixas com relação a esse problema são frequentes. A dor no nervo ciático tem uma taxa de incidência muito alta: 13%. Além disso, mais de 60% da população está sujeita a esse tipo de dor. 

O médico Lourimar Tolêdo, que é ortopedista do Ráquis Instituto da Coluna, lista cinco sinais do problema:

  1. Dor que irradia por toda a região posterior da coxa e perna e termina ao nível do tornozelo ou pé
  2. Dores na perna em forma de choque, queimação ou formigamento
  3. Dificuldade em manter a coluna ereta e dor ao andar
  4. Dor intensa no fundo das costas e glúteo, podendo apresentar piora ao espirrar ou tossir 
  5. Em quadros mais graves, a dor pode vir associada com dormência, redução ou perda de força na perna.

Causas 

“O que provoca as dores e o mau funcionamento do nervo ciático, em sua maioria, é o processo de compressão do nervo. Essa compressão pode ser extrínseca ao corpo (relacionada a posturas inadequadas, por exemplo) ou intrínseca (relacionado a compressões por estruturas do próprio corpo”, explicou o Dr. Lourimar Tolêdo.

Prevenção

Segundo o ortopedista, a prevenção pode ser realizada com bons hábitos de vida, como a prática regular de atividade física e uma boa postura no trabalho e em casa.

“Outras dicas para prevenir a inflamação no ciático são evitar o sobrepeso, fazer alongamento e realizar fortalecimento muscular com orientação, respeitando os seus limites. A melhor conduta é procurar um especialista, que irá determinar o tratamento para resolver a causa do problema”, destacou Lourimar.

Tratamento

“O tratamento deve ser direcionado à causa do problema. É possível prescrever medicações analgésicas e anti-inflamatórias, fisioterapia, gelo ou calor local e repouso por curtos períodos de tempo. Quando não há melhora, as cirurgias visam remover a hérnia de disco, e, para isso é utilizado o microscópio ou o endoscópio. Atualmente, essas cirurgias são minimamente invasivas”, finalizou o médico Lourimar Tolêdo.

Sobre

O Dr. Lourimar Tolêdo é ortopedista membro da Sociedade Brasileira de Coluna e atua no Ráquis Instituto da Coluna. Ele realiza cirurgias complexas e de grande porte para o tratamento de deformidades, fraturas e tumores vertebrais, além de intervenções minimamente invasivas, indicadas para alterações que causam dor e incapacidade física.

Dedicado também à educação médica, coordena a residência médica e, há mais de 10 anos, é responsável pelo serviço de cirurgia de coluna do Hospital Meridional Serra. Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC), da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), Society of Lateral Access Surgery (Solas), Society for Minimally Invasive Spine Surgery (SMISS) e North American Spine Society (NASS).