Rua José Farias, 98, sala 806 - Santa Luíza, Vitória - ES.

Câncer de colo de útero mata 6 mil mulheres por ano no país

Médico do Espírito Santo explica que vacina contra o HPV e exame preventivo anual podem ajudar a evitar a doença

 

Uma doença feminina ocupa atualmente o quarto lugar em mortalidade por câncer no Brasil (sem considerar os de pele não melanoma): o tumor do colo de útero. Por ano são mais de 6 mil óbitos de mulheres, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), que estima para 2020 o registro de 16.710 novos casos deste tipo de neoplasia.

O que muita gente não sabe é que o câncer do colo de útero pode ser prevenido com a vacina contra o HPV (Papilomavírus humano), que é oferecida pela rede pública de saúde. Ela é indicada para meninas de 9 a 14 anos e meninos, de 11 a 14. São necessárias duas doses. Homens e mulheres adultos também podem ser imunizados, mas apenas em clínicas particulares.

Além disso, mulheres não devem se descuidar do exame preventivo (Papanicolau), que é capaz de mostrar alterações celulares que podem evoluir para a incidência da doença.

Para o radio-oncologista Nivaldo Kiister, do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV), tomar a vacina e fazer o preventivo são medidas fundamentais na prevenção do tumor.

“Vacinar é muito importante, assim como fazer anualmente o preventivo com o médico ginecologista. Este exame ajuda a detectar se algo está errado de forma precoce, o que aumenta as chances de sucesso do tratamento”, afirma o radio-oncologista.

 

Infecção persistente

Nivaldo Kiister explica que o câncer de colo de útero está ligado à infecção persistente por subtipos oncogênicos do vírus HPV. Nem sempre há manifestação de sintomas, mas algumas mulheres podem relatar a ocorrência de algum tipo de sangramento irregular ou dor.

O tipo de tratamento vai depender do estágio de evolução da doença, tamanho do tumor e questões como idade da paciente e a vontade dela de ter filhos. Entre as opções estão a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia.

“Tudo vai depender do estágio do tumor de colo do útero. Em alguns casos, o tratamento principal é a radioterapia isolada ou cirurgia seguida de radioterapia. Já em outros, há a opção da quimioirradiação, que é radioterapia e quimioterapia administradas em conjunto”, afirma Nivaldo Kiister.

De acordo com o especialista, os dois tipos de radioterapia mais utilizados para tratar este tipo de câncer são a radioterapia externa e a braquiterapia.

“A radioterapia é uma modalidade terapêutica que é empregada nas situações em que a doença não está mais limitada ao colo uterino e sem indicação de cirurgia. Nessas condições, associa-se também a quimioterapia, quando possível, para potencializar o efeito da irradiação, melhorando assim os índices de cura/controle da doença. A braquiterapia é um tipo de radioterapia em que se introduz dentro útero, colo uterino e vagina, através de cateteres, material radioativo, para dar dose reforço à radioterapia externa já realizada”, explica.

 

Sobre o IRV

Fundado em 2005, o Instituto de Radioterapia Vitória (IRV) é a única clínica privada do Espírito Santo para o tratamento de câncer por meio deste serviço. Funciona nas dependências do Vitória Apart Hospital, na Serra, com tecnologia de ponta e equipe altamente qualificada que tem como filosofia de trabalho o acolhimento dos pacientes.

O IRV tem convênio com os maiores planos de saúde do Espírito Santo, como Unimed, Samp, São Bernardo, Bradesco Saúde, MedSênior, Pasa/Vale, ArcelorMittal, Petrobras, Cassi (BB), Saúde Caixa, Banescaixa, Amil, entre outros.

Deixe um comentário